quarta-feira, 24 de outubro de 2012

PRN: Deputada Portuguesa ao Parlamento Europeu Junta-se à Chamada para a Prevenção de AVC Associados à Fibrilhação Auricular Para que Esta se Torne uma Prioridade dos Serviços de Saúde Nacionais

Deputada Portuguesa ao Parlamento Europeu Junta-se à Chamada para a Prevenção de AVC Associados à Fibrilhação Auricular Para que Esta se Torne uma Prioridade dos Serviços de Saúde Nacionais

 
[2012-10-24]
 

-- É Urgente de Reduzir o Impacto Devastador Pessoal e Económico destes AVC Graves

BRUXELAS, 24 de Outubro de 2012 /PRNewswire/ -- Antes do dia Mundial do Acidente Vascular Cerebral (AVC) de 2012 (29 de Outubro), a Deputada Portuguesa ao Parlamento Europeu, Edite Estrela, juntou-se a muitos outros decisores políticos da UE, assim como a 90 Organizações Médicas e de Doentes, e mais de 100 000 pessoas, em apoio à Carta Global de Direitos dos Doentes com Fibrilhação Auricular (FA) e apelaram aos Governos Nacionais e à Organização Mundial de Saúde para que tomem medidas e tornem a prevenção de AVC associados à FA uma prioridade. A Carta define formas de melhorar o diagnóstico e a gestão da FA a qual, se implementada, pode evitar, todos os anos, milhares de AVC preveníveis.  

http://www.multivu.com/players/English/57497-sign-against-stroke/

Porque é que é necessário tomar medidas agora?
AVC associados à FA são uma epidemia em crescendo. Só na Europa dez milhões de pessoas são afetadas pela FA – a perturbação crónica do ritmo cardíaco (arritmia) mais frequente no mundo. No entanto, com uma população em crescente envelhecimento estima-se que o número de Europeus afetados aumentará para entre 25 a 30 milhões em 2050. Isto é muito preocupante porque pessoas com FA são cinco vezes mais propícias a sofrer um AVC do que aqueles sem FA. Além disso, estes AVC são mais graves do que aqueles que não estão associados à FA, e como tal mais custosos em termos de impacto nas pessoas e nos orçamentos dos serviços de saúde e sociais.

"Acho que é muito importante que os Ministérios da Saúde dos 27 Estados-Membros da UE prestem a devida atenção à Carta Global de Direitos dos Doentes com FA," disse Edite Estrela, Deputada ao Parlamento Europeu e Membro da Comissão Parlamentar do Ambiente, Saúde Pública e Segurança Alimentar. "As recomendações deste documento podem ajudar os governos a atingir os objetivos da Carta Europeia para a Saúde do Coração e o objetivo recentemente adotado pelas Nações Unidas de reduzir em 25% as doenças não transmissíveis até ao ano 2025. Isto poderá reduzir o sofrimento das pessoas e o impacte significativo que os AVC associados à FA têm nos orçamentos dos sistemas de saúde. "

O fardo financeiro causado por AVC nos países Europeus é enorme. Em 2010, o custo estimado de AVC na Europa foi de 64 mil milhões de euros. Assumindo que 15% desses AVC foram causados pela FA, os quais geralmente são mais graves, o custo de AVC associados à FA poderá ter sido de pelo menos 10 mil milhões só em 2010.

O impacto pessoal nos sobreviventes de AVC associados à FA e nas suas famílias não pode ser menosprezado, já que mais de um terço de sobreviventes regressam a casa com algum nível de incapacidade permanente. A FA também aumenta o risco de complicações médicas no seguimento de um AVC, estando os sobreviventes de AVC associados à FA mais propícios a sofrerem de condições tais como pneumonia e acumulação de fluído nos pulmões.  

Os AVC podem ser prevenidos: Previna-os!
No entanto, a maioria destes AVC são preveníveis. Apesar de não existir uma solução rápida e fácil, existem passos que podem ser tomados para melhorar a consciencialização, a deteção, o diagnóstico e a gestão de FA para reduzir o número de pessoas cujas vidas são devastadas todos os anos.

"Os governos deveriam trabalhar em conjunto com Organizações Médicas e de Doentes para tornar a prevenção e tratamento de AVC associados à FA numa prioridade nacional de cuidados de saúde e incrementar planos de prevenção nacionais para o AVC," disse a Deputada Edite Estrela. "Todos deveríamos fazer o nosso melhor para aumentar o acesso à informação, ao diagnóstico precoce de FA e a uma gestão adequada de prevenção de AVC associados à FA."

Uma Voz Unificada Mundialmente
A Carta Global de Direitos dos Doentes com FA é apoiada por mais de 90 Organizações Médicas e de Doentes em todo o Mundo. A sua campanha, Assine Contra o AVC na Fibrilhação Auricular, apela a todos os indivíduos em todo o mundo para que assinem o seu nome em SignAgainstStroke.com, a fim de demonstrarem o seu apoio à Carta e pedirem aos Governos Nacionais que implementem as recomendações para a prevenção de AVC associados à FA.

"Fico muito contente em constatar o rápido crescimento no apoio à Carta Global de Direitos dos Doentes com FA," disse Trudie Lobban MBE, Fundadora e Administradora da Arrhythmia Alliance, e Co-fundadora e Directora-geral da Atrial Fibrillation Association. "Mais de 100 000 decisores políticos, profissionais de saúde, doentes, as suas famílias e membros do público em geral apoiaram a Carta, assinando os seus nomes em SignAgainstStroke.com. Esta é uma prova do quão importante é a prevenção dos AVC associados à FA, e com este apoio podemos fazer a mudança."

Sobre a Carta Global de Direitos dos Doentes com FA e campanha Assine Contra o AVC
A Carta Global de Direitos dos Doentes com FA foi criada por um Comité constituído por representantes de Organizações de Doentes, incluindo a AntiCoagulation Europe, a Arrhythmia Alliance, a Atrial Fibrillation Association, a Irish Heart Foundation, a StopAfib.org e a Stroke Alliance for Europe, em colaboração com 39 Organizações de Doentes de 20 países. Encontra-se disponível no sítio Web uma lista completa de organizações que colaboraram; pode consultá-las em www.signagainststroke.com.

As pessoas podem ficar a saber mais sobre a FA e o AVC, ler e assinar a Carta, a qual está disponível em 22 idiomas, e ouvir o que os decisores políticos Europeus têm para dizer no sítio Web da campanha - www.signagainststroke.com. Todas as assinaturas contribuem para a tomada de ação para prevenir os AVC associados à FA e melhorar os futuros resultados e qualidade de vida das pessoas a quem foi diagnosticado FA.

O sítio Web também inclui vídeos da Deputada Edite Estrela e outros Deputados ao Parlamento Europeu de diferentes países e grupos políticos, que se juntaram para explicar como melhor diagnosticar e gerir a FA, assim como apelar aos governos nacionais para que façam da prevenção dos AVC associados à FA uma prioridade de saúde nacional.

A Bayer HealthCare tem orgulho em apoiar a Carta Global de Direitos dos Doentes com FA e a Campanha Assine contra o AVC.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

PRN: Sativex® confirma benefícios clinicamente relevantes para a espasticidade em esclerose múltipla

Sativex® confirma benefícios clinicamente relevantes para a espasticidade em esclerose múltipla

 
[2012-10-15]
 

LYON, França, October 15, 2012 /PRNewswire/ --


  • Dados positivos do estudo MOVE 2 (MObility ImproVEments with Spasticity in Multiple Sclerosis),apresentado no congresso ECTRIMS, consubstanciam a utilização do Sativex® para a redução dos sintomas moderados ou graves da espasticidade por esclerose múltipla (MSS).
  • Os novos dados do estudo demonstram que, após 3 meses, 41% dos pacientes tratados com Sativex® e que não tinham respondido a outras terapias tiveram um efeito clinicamente relevante.
  • O medicamento provou ser um tratamento comeficiência de custosna Alemanha, onde já foi disponibilizado pela Almirall, bem como na Espanha e na Dinamarca.

A Almirall S.A. (ALM) anuncia hoje que os resultados do estudo de observação MObility ImproVEments with Spasticity in Multiple Sclerosis (MOVE) 2, realizado na Alemanha com 300 pacientes, demonstraram que um tratamento de 30 dias com o vaporizador oromucosal Sativex® (THC:CBD) reduz em 20% ou mais a espasticidade por esclerose múltipla (MSS) moderada ou grave em 40% dos pacientes que não tinham tido resposta às terapias convencionais. Após 3 meses, as melhorias observadas foram de 30% ou mais. No geral, 55% dos pacientes iniciais foram elegíveis para tratamento continuado para além do terceiro mês.

Este estudo prospetivo de observação foi apresentado no dia 11 de Outubro de 2012, durante o 28º Congresso do Comité Europeu para o Tratamento e Pesquisa sobre a Esclerose Múltipla (ECTRIMS) em Lyon, na França.

"Uma melhoria na escala de classificações numéricas (NRS) de pelo menos 30% após 3 meses é considerada clinicamente relevante. Para os pacientes, traduz-se num sono menos perturbado devido a espasmos de MSS, menos dor, melhoria do funcionamento da bexiga e uma maior capacidade para a execução de actividades diárias simples que envolvam mobilidade. Estes resultados, obtidos durante o acompanhamento médico quotidiano coadunam-se ou ultrapassam aqueles relatados em testes clínicos anteriores com Sativex®, tendo sido alcançados, em média, com um número ligeiramente menor de doses diárias", comentou o investigador principal do MOVE 2, Professor Peter Flachenecker, do Centro de Reabilitação Neurológica Quellenhof, em Bad Wildbad, na Alemanha.

O MOVE 2 é um estudo de observação, prospetivo, multicentro que abrangeu 300 adultos com MSS moderada a grave tratados em 42 centros especializados em EM localizados por toda a Alemanha. As classificações NRS médias de espasticidade por EM baixaram em 25% por comparação ao período de pré-tratamento com Sativex®, tendo 41% dos pacientes demonstrando melhorias de pelo menos 30% em relação à linha de base (de 6,7 para 3,2 neste subgrupo; p<0,0001). As medições da qualidade de vida (escala EM QoL-54) também mostraram melhorias em relação à linha de base na consulta do terceiro mês (p<0,01).

O Sativex® foi, de uma maneira geral, bem tolerado. Foram relatados efeitos adversos em 16,6% dos pacientes tratados, dos quais os mais comuns foram tonturas, fadiga ou sonolência, principalmente de duração transitória e de intensidade ligeira a moderada.

Outros novos dados dos registos em curso do Sativex® no Reino Unido (n=493, recolha de dados retrospectivos, 18 meses de exposição média) e em Espanha (n=103, 6 de acompanhamento prospetivo) que estão a ser apresentados neste congresso consubstanciam ainda mais estes achados.

Para além da relevância clínica demonstrada no MOVE 2, uma publicação recente de J. Slof demonstra que o Sativex® constitui um tratamento com eficiência de custos[i]. Num modelo Markov[ii] apresentado da perspectiva do pagador de cuidados de saúde na Alemanha, a relação de eficácia de custos incremental para o Sativex® foi de 10.809 euros. Este valor fica bastante abaixo dos limiares aceites para a eficiência de custos, como, por exemplo, o valor de 30.000 libras esterlinas (38.000 euros) especificado pelo Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica (NICE) do Reino Unido.

Na Europa, o Sativex® é comercializado para o tratamento da espasticidade por EM no Reino Unido, Espanha, Alemanha e Dinamarca. Está actualmente em preparação o lançamento também na Itália, Áustria, Islândia e Noruega. Para além disso, foram também recebidas autorizações das entidades reguladoras na Bélgica, Suécia, Países Baixos, Portugal, República Checa e Eslováquia, onde será posto à venda após o final de 2012.

Para além da espasticidade por EM, o Sativex®, que foi desenvolvido pela GW Pharmaceuticals, está também em desenvolvimento clínico de fase III para o tratamento da dor oncológica. A Almirall detém todos os direitos de marketing deste medicamento na Europa (excepto no Reino Unido) e no México.

Notas para os editores

Sobre o estudo MOVE 2

O estudo MObility ImproVEments with Spasticity in Multiple Sclerosis (MOVE) 2 foi um estudo de observação, prospetivo, multicentro incluindo 335 adultos (300 dos quais analisáveis) com MSS moderada a grave tratados em 42 centros especializados em EM localizados por toda a Alemanha.

O estudo foi concebido para avaliar a eficácia do Sativex® durante o acompanhamento médico de rotina. Os pacientes foram avaliados ao início da sua participação no estudo, após 1 mês e após 3 meses, utilizando instrumentos validados, incluindo as classificações NRS, o índice Barthel de actividades da vida quotidiana e a escala Ashworth de espasticidade.

Após um teste de tratamento inicial de 1 mês, na análise de eficácia à população de 276 pacientes:

  • 74,6% foram considerados respondentes iniciais ao tratamento pelos seus próprios médicos.
  • Na Escala de Classificações Numéricas (NRS) de espasticidade por EM, 41,7% dos pacientes tiveram melhorias de ≥ 20% por comparação à classificação medida antes de terem iniciado o tratamento com Sativex®.
  • A classificação geral média Ashworth de espasticidade caiu em 9,6%, para 2,7 (SD 0,90), diminuindo em 12,8%, para 2,6 (SD 0,9) no subgrupo de pacientes com melhorias de ≥ 20% na classificação NRS.
  • A classificação média de NRS do sono diminuiu em 21,4% em relação a antes de os pacientes terem começado o tratamento com Sativex®, caindo em 36% nos pacientes com melhorias de ≥ 20% na respectiva classificação de linha de base.
  • Evolução dos sintomas associados à espasticidade dos respondentes por comparação a valores p: dor 0,08; rigidez 0,01; disfunção da bexiga 0,007; mobilidade 0,05.

237 (79%) dos 300 pacientes analisáveis incluídos no estudo continuaram a tomar Sativex® após o teste inicial do tratamento. Nestes pacientes, os benefícios observados após 1 mês de tratamento foram mantidos ou melhorados aos 3 meses em relação à linha de base:

  • As classificações médias da Escala de Classificações Numéricas (NRS) por MSS diminuíram em 25% por comparação a antes de terem começado o tratamento com Sativex®, com 41% dos pacientes com melhorias de pelo menos 30% em relação à linha de base (de 6,7 para 3,2 neste subgrupo; p<0,0001).
  • A classificação média de NRS do sono diminuiu em 27% em relação à linha de base (de 4,3 para 2,1; p<0,0001).
  • A dose média utilizada foi de 6,7 vaporizadores /d (S.D 2,9) na consulta dos 3 meses.

Aos 3 meses, a proporção de pacientes com MSS que precisava de consultas de fisioterapia ao domicílio caiu para um terço, de 27,3% para 17,8%. Foram relatadas limitações graves nas actividades da vida quotidiana por 25% menos pacientes, enquanto a proporção de pacientes que relataram dor grave e perturbadora caiu em 15,5%. O Sativex® foi, de uma maneira geral, bem tolerado. O tipo de efeitos adversos foi semelhante aos relatados nos testes clínicos, tais como tonturas e sonolência, mas com incidências mais baixas. Após a consulta dos 3 meses, 55,3% dos pacientes da linha de base continuaram a tomar Sativex®.

Sobre o Sativex®

O Sativex® é um modulador endocanabinóide contendo 2 elementos activos - THC (delta-9-tetrahidrocanabinol) e CBD (canabidiol) - que foi desenvolvido e fabricado pela GW Pharmaceuticals plc, UK. A Almirall detém todos os direitos de marketing deste medicamento na Europa (excepto no Reino Unido) e no México.

O Sativex® é indicado para o tratamento de pacientes com espasticidade moderada ou grave por esclerose múltipla (EM) que não tenham tido uma resposta adequada a outros medicamentos anti-espasticidade e que tenham demonstrado melhorias clinicamente significativas dos sintomas relacionados com a espasticidade durante um período de teste de tratamento inicial[iii]. O Sativex® é eficaz em todos os tipos de EM, independentemente do estatuto de incapacidade (conforme a Escala Expandida de Estado de Incapacidade - EDSS - um sistema de classificação que é frequentemente utilizado para a classificação e padronização do estado de saúde de pessoas com esclerose múltipla).[iv]

O Sativex® contém ingredientes activos conhecidos como "canabinóides", os quais são extraídos da planta C. Sativa cultivada e processada em condições rigorosamente controladas. Os canabinóides reagem com os receptores de canabinóides que existem naturalmente por todo o corpo, incluindo o cérebro.[v] Um receptor é um ponto localizado numa célula do cérebro ao qual certas substâncias podem aderir ou "ligar-se" por algum tempo. Se isto acontecer, esta ligação tem um efeito sobre a célula e sobre os impulsos nervosos por ela produzidos, causando um "obscurecimento" do sintoma da espasticidade. Em pacientes que respondem ao Sativex®, este efeito traz melhorias aos seus sintomas de espasticidade e ajuda-os a lidar com as suas actividades quotidianas.[vi]

Para além da espasticidade por EM, o Sativex®, que foi desenvolvido pela GW Pharmaceuticals, está também em desenvolvimento clínico de fase III para o tratamento da dor oncológica.

A espasticidade

Nos 5 principais mercados da UE existem cerca de 500.000 pessoas que sofrem de EM [vii]. A espasticidade é um sintoma definido pelos pacientes e pelos prestadores de cuidados de saúde como consistindo em espasmos musculares, bloqueio muscular, rigidez e/ou dificuldade em mover os músculos, sendo um dos sintomas mais comuns da EM e ocorrendo em até 75% de pacientes com EM ao longo do curso da doença. A espasticidade pode afectar muitos aspectos da vida quotidiana dos pacientes com EM e é um dos principais factores que contribuem para o seu sofrimento e a sua incapacidade.[viii]

Sobre a Almirall

A Almirall é uma empresa farmacêutica internacional que assenta na inovação e está empenhada na saúde. Com sede em Barcelona, investiga, desenvolve, fabrica e comercializa os resultados da sua própria Investigação e Desenvolvimento, bem como medicamentos sob licença, com o objectivo de melhorar a saúde e o bem-estar das pessoas. A Almirall concentra os seus recursos de investigação nas doenças respiratórias, gastrointestinais, dermatológicas e dor. Os produtos da Almirall estão actualmente presentes em mais de 70 países nos 5 continentes. Com a abertura de uma filial no Canadá, a Almirall tem actualmente uma presença directa na Europa, no México e no Canadá, através de 13 filiais.

Para mais informações, visite: http://www.almirall.com

i. Sativex® in multiple sclerosis spasticity: a cost-effectiveness model - Slof J et al, Expert Rev. Pharmacoecon. Outcomes 2 Res. 12(4), (2012))ii. Markov models in medical decision making: a practical guide. - Sonnenberg FA, Beck JR. - Med Decis Making. 1993 Out-Dez;13(4):322-38.

iii. Folheto para pacientes

iv. A randomized, double-blind, placebo-controlled, parallel-group, enriched-design study of nabiximols (Sativex®), as add-on therapy, in subjects with refractory spasticity caused by multiple sclerosis - Novotna A. et al, European Journal of Neurology 2011 - Set ; 18(9):1122-31.

v. GW Pharmaceuticals: Cannabinoid Science: Mechanism of action. Disponível em: http://www.gwpharm.com/mechanism-of-action.aspx (acesso mais recente: 26/04/2012).

vi. GW Pharmaceuticals: Cannabinoid Science: Cannabinoid Compounds. Disponível em: http://www.gwpharm.com/types-compounds.aspx (acesso mais recente: 26/04/12).

vii. Multiple Sclerosis International Federation: European map of ms database. ©2010 EMSP, MSIF. Disponível em: http://www.europeanmapofms.org (acesso mais recente: 11/08/2010). Principais 5 países da UE incluídos: França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido.

viii. Rizzo MA et al. Prevalence and treatment of spasticity reported by multiple sclerosis patients. Mult Scler 2004;10:589-595.


Company Codes: Bloomberg:ALM@SM, RICS:ALM

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

PRN: Nomeação de Alexander Collot d'Escury como Diretor Executivo da Desso

Nomeação de Alexander Collot d'Escury como Diretor Executivo da Desso

 
[2012-10-04]
 

WAALWIJK, Holanda, October 4, 2012 /PRNewswire/ --

No dia 01 de outubro de 2012, Alexander Collot d'Escury assumiu sua nova função como Diretor Executivo da Desso Holding BV ("Desso"), fabricante europeu de carpetes e sistemas esportivas.

     (Logo: http://photos.prnewswire.com/prnh/20121002/565054 )

Ele assumiu o lugar de Stef Kranendijk, que se tornou o Presidente do Conselho Supervisor com a especial responsabilidade pela implementação e comunicação da estratégia Cradle to Cradle® da Desso.

O Alexander inicia sua nova função depois de cinco anos no cargo de Diretor Comercial da Desso, onde teve uma posição chave em termos de gerar as vendas da empresa e o crescimento nas difíceis condições econômicas dos últimos anos. Ele também foi um dos impulsionadores atrás da abordagem do design Cradle to Cradle® da Desso.

Alexander irá manter o compromisso da Desso de implementar o design Cradle to Cradle® juntamente com seus demais impulsionadores de inovação da criatividade e funcionalidade.

Ele também vai focar na visão da empresa no sentido de fazer pisos que atendam às necessidades dos clientes e que contribuam para a saúde e bem-estar no ambiente interior.

"Como seres humanos, nós passamos em média 90% de nosso tempo em ambientes fechados. Em casa, no escritório, em viagem, em hotéis e assim por diante," diz Alexander. "Essa percepção levou a Desso à sua visão da empresa: "Como tornar o Piso a serviço de nossa Saúde e Bem-estar"."

Alexander iniciou sua carreira trabalhando para a Sara Lee, com foco na marca holandesa de café Douwe Egberts, antes de ir para a Nestlé, onde adquiriu 13 anos de experiência em gerenciamento internacional. Como Diretor Regional da Nestlé Purina Petcare na Europa Central, ele foi enviado para Budapeste (2006-07). Logo antes disso, ele trabalhou na Suíça como parte da equipe de gerenciamento da Nestlé europeia, responsável pelos mercados de Bebidas, Confeitaria e de diversos países (2005-2006).

Alexander também trabalhou como Gerente Geral da Nestlé Food Services na Holanda (2002-2005) e ocupou várias funções de liderança de marketing e vendas na Holanda, Espanha e República Tcheca.

Fora da Desso, Alexander é membro do Conselho Consultivo da Escola Superior de Hotelaria (Hogere Hotelschool), a escola de gestão de hotelaria com sede em Maastricht, bem como membro do conselho da Fundação PAN em Amsterdã, uma feira de arte moderna.

Alexander: "Queremos que a Desso seja a líder mundial na fabricação de produtos de revestimento de piso ambientalmente responsável, oferecendo um valor excepcional em termos de design e funcionalidade e contribuindo, assim, para a saúde e o bem-estar das pessoas." Ele também presta homenagem aos funcionários da Desso que possibilitaram que a empresa prosperasse mesmo durante alguns dos tempos econômicos mais desafiadores da história recente.  

Website: http://www.desso.com